Plínio J. Smith – “Desacordo e Relatividade”: